Rio Branco-Ac 17-Abr-2014 
HOME
EDITORIAL
NOTÍCIAS
SOCIEDADE
COLUNAS
CRÔNICAS
ARTIGOS
CONCURSOS
ESPECIAL
EDIÇÕES
EXPEDIENTE
WEBMAIL
CADERNO ESPECIAL
 
 
ESPECIAIS
especial_mulheresnotrafico_nov2010.jpg
orfaosdotransito2.jpg
especial4.jpg
especial2.jpg
especial3.jpg
banner_maepe1.jpg
banner_diatrabalhadorpeq.jpg
capa_filhosdaesperanca_peq2.jpg
acre_cooperativo_p.jpg
 
nomeiodafloresta_capap.jpg

Desenvolvendo a economia social
Senador Tião Viana apoia a 171 associações e cooperativas estimulando produção familiar

Grupo de médicos no Acre revoluciona os conceitos da saúde e dá lições de solidariedade no meio da floresta amazônica
Com Val Sales

Amazônia já vive seu ciclo econômico sustentável
Com Romerito Aquino

VEJA MAIS ESPECIAIS
 

Profissão de risco Imprimir E-mail
Escrito por Roque Mesquita   
30-Jun-2012

O projeto de lei que amplia a segurança a juízes ameaçados de morte não é um privilégio. São 150 nessa situação. Não podemos ter novos funerais

Ser magistrado no Brasil se tornou uma profissão de risco. De agosto a novembro de 2011, segundo o Conselho Nacional de Justiça, o número de juízes ameaçados de morte subiu de cem para 150 magistrados -em 2012, já são mais de 150.

Diante da população do Brasil ou das ações contra a vida que acontecem nas cidades, o que são 150 brasileiros ameaçados de morte? Parece um dado insignificante. Não é.

Toda vida é importante, nem que seja para quem corre o risco de perdê-la. Isso sem contar pais, mães, maridos, esposas, filhos e filhas que sentem em uma única perda o suficiente para tornar suas vidas um inferno. Não podemos jamais deixar nossa perspectiva dos fatos e da vida ficar amortecida pelos números.

Em maio, o Senado aprovou projeto de lei que amplia a segurança dos juízes ameaçados de morte. Uma boa medida, sem dúvida. Trabalhar e viver são direitos inalienáveis de todos os brasileiros garantidos na Constituição e não podem ser tratados como privilégios.

Posso afirmar, com meus quase 40 anos de serviços prestados ao Poder Judiciário na qualidade de magistrado, que a maior parte dos meus colegas, se pudesse, dispensaria tal privilégio. A razão para isso se chama cidadania.

O Poder Judiciário não está alheio às transformações da sociedade nos últimos anos. Uma das mais significativas é o crescimento do sentimento de cidadania. O regime democrático é o grande responsável por isso, e os reflexos se verificam em toda a sociedade.

Sentir-se cidadão, pleno de seus direitos -e cumpridor de seus deveres- faz com que cada um de nós se torne mais participante da sociedade. Portanto, exigir que as instituições funcionem e que nossas leis sejam cumpridas é direito de todos para o bem da coletividade.

Nenhum magistrado quer o privilégio da segurança pessoal, mas não podemos abrir mão dele. Dizer que a insegurança pode atrapalhar o julgamento dos magistrados não é exagero. Por mais preparados que estejam, são seres humanos. As ameaças à vida conseguem interferir de forma diferenciada sobre cada um.

O medo é uma das piores sensações que existem. Para sorte de nossa sociedade, há muita gente corajosa disposta a correr risco pela coletividade - e, posso afirmar com segurança, há muitos bons exemplos na magistratura.

A coragem é o primeiro tijolo do arcabouço moral que mantém em atividade os magistrados jurados de morte. Outros tijolos são formação moral, caráter e desejo de fazer prevalecer a Justiça sempre.

Nos tempos modernos em que vivemos, ontem já é passado distante. Mas a memória existe para que os fatos sejam lembrados. Faz quase um ano que a juíza Patrícia Acioli foi assassinada a tiros. Foi uma perda irreparável para sua família.

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, desembargador Nelson Calandra, comentou entre revoltado e entristecido que, na época do enterro de Patrícia, ele já havia comparecido a outros quatro funerais como aquele.

Torno a lembrar o que disse no início desse artigo: mais de 150 magistrados trabalham para fazer cumprir a lei com um alvo costurado às suas costas. Será que assistiremos a mais algum funeral? Chega de mártires. A lei do mais forte não se imporá.

Desembargador e presidente da Associação Paulista de Magistrados (Apamagis)

 

Comentarios (0)add
Escreva seu Comentario
smaller | bigger

busy
 

COLUNAS
Giro Geral
Na Tribo
Poronga
O Espírito da Coisa
Ponto-e-virgula
Vida Plena
TÃO ACRE
Arraial Alheio
Cinemarx
DOMINGO
Almanacre
Página Empreendedora
Miolo de Pote
Questão de Direito
Varal de Idéias
Papo de Índio
Conversa de Calçada
Papo simples de economia
Memórias da Floresta
Andando por ai
Amazônia mistica
OPINIÃO
 SUGESTÃO DE SITES
Taraucá da Hora
 SENADORES DO ACRE
Anibal Diniz
Jorge Viana
Sérgio Petecão
 DEPUTADOS FEDERAIS
Perpétua Almeida
Gladson Cameli
Flaviano Melo
Antônia Lucia
Henrique Afonso
Marcio Bittar
Siba Machado
Taumaturgo Lima

 SUGESTÃO DE BLOGS
BLOG DO MARCOS AFONSO

CONHEÇA UM POUCO DA CIDADE DE  RIO BRANCO

CAPA
capa2_090113_1.jpg

 

 
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.
© 1999-2008 Página 20 - Todos os direitos reservados.